Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Outra vez o BPN!

O BPN é um poço sem fundo, tal como a inoperância da justiça ou a corrupção dos políticos. Esta semana ficámos a saber que o Estado Português que, vendeu o BPN ao banco BIC (banco luso-angolano liderado, não por acaso, por um antigo ministro de Cavaco Silva, Mira Amaral) está agora em dívida para com este banco.

Segundo foi noticiado, o actual governo, perdão, actual não porque neste momento não temos nenhum governo... então será melhor "chamar os bois pelos nomes", o governo de Passos Coelho e em particular o seu ex-ministro das finanças Vítor Gaspar bem como a actual ministra da mesma pasta, Maria Luis Albuquerque que, na altura da venda era secretária de estado, celelebraram um contrato de venda do BPN ao BIC pela módica jóia de 40 milhões de euros, ficando o Estado Português (nós, portanto) comprometido em assumir todas as despesas relacionadas com as acções judiciais entrepostas por clientes e fornecedores ao BPN. A primeira factura já foi apresentada e consta que o seu valor é de 100 milhões de euros, sendo que o valor total poderá ascender a 600 milhões de euros.

Neste momento, impõe-se fazer pelo menos duas perguntas. A primeira: Quão imbecil, corrupto e incompetente tem que ser um governante para celebrar um contrato nestes termos? A segunda: Porque razão só agora se tomou conhecimento desta cláusula contratual? Eu tinha para mim que os excelentíssimos senhores deputados da Assembleia da República haviam tomado conhecimento do contrato assinado entre o Estado Português e o BIC... mas, pelas reacções de alguns, também eles foram apanhados de surpresa, o que para mim é ainda mais surpreendente!

Não posso deixar de recordar algumas das tão famosas declarações da actual ministra da justiça que, desde há muito tempo vem afirmando que a impunidade em Portugal acabou, que agora a justiça é a doer e ai daquele que prevaricar, pois os tempos de perversão acabaram. Nem de propósito, a mesma ministra, reiterou tudo isto na passada semana no seu discurso na Assembleia da República. 

O BPN não é caso único de corrupção e impunidade em Portugal, mas é aquele que melhor ilustra o carácter das pessoas que governaram e continuam a governar este país.

É também importante lembrar algumas declarações do Primeiro-ministro Passos Coelho que, há não muito tempo atrás dizia: "não se pode permitir que os responsáveis pelos maus resultados da economia portuguesa continuem a andar de espinha direita", "é importante punir civil e criminalmente quem não cumpre", "não podemos permitir que se fixem objectivos e que depois não se cumpram", etc.

Os prevaricadores continuam sem ser responsabilizados e, o próprio Passos Coelho que FALHOU nos objectivos de redução da dívida e do défice continua a andar por aí, de espinha direita.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.