Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

RAPIDINHA

A propaganda intensifica-se. As taxas de juro só baixam - e praticamente nada - porque estamos em cima das eleições europeias. Apenas isso.

A “classe média” (muito acima da média) da AD

hugo_soares_irs_classe_média.jpg

O Parlamento chumbou a proposta dos partidos do governo (PSD e CDS), que visava a redução das taxas de IRS até ao oitavo escalão. O Parlamento aprovou a proposta do PS que, apesar de também visar a redução das taxas de IRS, deixa de fora a redução nos 7.º e 8.º escalões.

O líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, não perdeu tempo em condenar o Parlamento (e a democracia), alegando que ao chumbar a proposta dos partidos da AD estão a castigar a classe média que, segundo ele é composta por médicos, enfermeiros e professores.

Ora, atentemos no facto de que ao chumbar a proposta da AD, o Parlamento está a impedir que se proceda a uma diminuição das taxas de IRS para quem ganha entre 3.200 e 6.500 euros mensais, que são apenas cerca de 10% dos trabalhadores em Portugal.

Para a AD (PSD/CDS) a classe média é composta por apenas 10% dos trabalhadores e que auferem um vencimento acima de 3.200 euros mensais. São os mesmos que entendem que jovens que auferem 6.000 euros mensais devem ter direito a isenção de IRS.

Ficámos ainda a saber que a AD considera que os professores e os enfermeiros auferem um salário que se situa algures entre os 3.200 e os 6.500 euros mensais. E que médicos e enfermeiros se enquadram na mesma classe de trabalhadores, segundo o nível de rendimentos. 

Para fechar o circo com chave de ouro, o PSD e o CDS atacaram o Chega e o PS, por considerarem que estes dois partidos votam em conluio, quando na verdade, o partido que - à direita - votou a proposta do PS foi a Iniciativa Liberal.

E isto está só a começar.