Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

A desprezível falta de ética do Público

parangona_público.jpg

O Público noticiou que, entre 11 de Janeiro e 10 de Julho deste ano, morreram 9.231 pessoas com Covid-19, salientando que 99,4% dessas mortes se verificou em pessoas que não estavam completamente vacinadas. Pois, e em 2020 essa percentagem foi de 100%, vejam bem.

Se atentarmos no FACTO de que a 31 de Março de 2021, apenas 5% da população se encontrava totalmente vacinada e se a esse FACTO acrescentarmos outro FACTO, o de que só entre 11 de Janeiro (início do período em análise) e 31 de Março faleceram 9.045 pessoas - cerca de 98% do total de mortos que a notícia refere – rapidamente concluiremos que esta “notícia” não é sequer digna desse nome. Tal como o jornalista que a assina não faz a mínima ideia do que é ser jornalista.

Fazer uma parangona deste nível - que encerra uma enorme falácia – num assunto de tão elevada importância, só pode dever-se a muita incompetência, desonestidade ou ambas. Ah, e também a uma tremenda falta de ética e de probidade jornalística por parte do órgão de comunicação social em questão, algo que também se vai tornando um hábito.

3 comentários

  • Imagem de perfil

    contrário

    03.08.21

    Penso que aquilo que queria dizer era que "os fins justificam os meios", em todo o caso, nunca aceitarei que a mentira e a deturpação dos factos possam ser consideradas como algo positivo, menos tolerável ainda se emanarem de instituições com responsabilidades acrescidas. Coisas minhas...
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    04.08.21

    Concordo, os fins justificam os meios…de comunicação social.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.