Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Ai Costa! A vida costa…

Com a maioria das pessoas obrigadas ao confinamento, por tempo indeterminado, é de prever que as contas da água, electricidade e gás aumentem consideravelmente. Se as pessoas passam muito, mesmo muito mais tempo em casa, é óbvio que os consumos vão disparar. É inevitável. Se acrescentarmos a esta situação o facto de a maioria das pessoas estar sujeita a perda de rendimentos, durante o mesmo período e pelo mesmo motivo, não seria de esperar que o Governo fizesse algo para amenizar estas despesas fixas e de primeira necessidade que, no curto prazo, vão cair em cima das famílias?

Por exemplo, na Madeira, o Governo Regional decidiu isentar os cidadãos e empresas, pelo consumo de electricidade e água referente ao período de 16 a 31 de Março, pelo menos.

Acho que o Governo tem a obrigação de fazer algo nesta matéria, contudo, também não isento de responsabilidade as empresas que operam nestes mercados. Chama-se responsabilidade social, meus senhores, aquilo que fica muito bonito em folhetos publicitários, manuais de identidade empresarial, relatórios de sustentabilidade, etc.

Este é um bom momento para conferir coerência a essa coisa tão bela e singela como é o caso da responsabilidade social. Estarão estas empresas dispostas a prescindir dos lucros (ou parte dele), apenas enquanto o referido período se encontrar em vigor?

Voltando à responsabilidade do Governo e a título de exemplo, porque não reduzir a taxa de IVA da electricidade para os 6% ou até mesmo isentar o pagamento deste imposto durante o período em que vigorará o estado de emergência e a obrigação de confinamento?

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.