Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Alguns deputados foram eleitos para “fazer arranjinhos” a privados

A deputada Joana Lima, eleita pelo PS, “arranjou” reuniões entre investidores brasileiros que, supostamente estão interessados em comprar a empresa Omni - detentora daquela aeronave que continha cerca de 600 quilos de cocaína – e representantes da Parvalorem.

Eu não sei de onde é que a senhora deputada Joana Lima conhece os investidores brasileiros e/ou os representantes da empresa Omni, mas ela lá saberá, apesar de ter preferido chamar-lhe “alguém”. A senhora deputada Joana Lima lá tratou de fazer o tal “arranjinho” de convocar a reunião solicitada pelo “alguém”.

Confrontada com a peculiaridade da situação, a deputada Joana Lima defendeu-se afirmando que agiu na procura do “interesse público” e que “desbloquear processos e arranjar reuniões” faz parte das funções para as quais os deputados são eleitos. “Para isso é que fomos eleitos” disse, muito candidamente, a senhora deputada. Será só falta de vergonha na cara, ou também falta de noção e de carácter?

E ainda acrescentou: “Para mim, eu estava a ajudar um investimento no meu país”. Ora, vejamos, a Omni deve muitos milhões à Parvalorem (entidade pública) e o interesse daqueles que pretendem comprar a Omni era o de que a Parvalorem facilitasse o negócio. Pois. Vou continuar a fazer um esforço muito grande para perceber onde é que há interesse público nesta negociata.

Agora, impõe-se também solicitar à Assembleia da República que actualize o Estatuto dos Deputados porque, segundo a deputada Joana Lima, cabe aos deputados da nação agir na defesa do interesse de empresas privadas, mesmo daquelas cujos “alguéns” que as representam costumam transportar com eles aquele característico cheiro a marosca.

Mais vale a Assembleia da República oficializar a coisa (que neste é “coisa não pública”) de uma vez por todas e, assim, não teremos mais que assistir ao triste e recorrente espectáculo de ver alguns deputados apanhados com as calças na mão. Neste caso, saias.