Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

“Deixem o 10 de Junho em paz”

Poderia ter sido este o mote para as celebrações do Dia de Portugal. Não se compreende como é que Marcelo Rebelo de Sousa deixou passar esta oportunidade. As celebrações deste ano decorreram no Mosteiro dos Jerónimos e foram fraquinhas, fraquinhas. Quase nem deu para notar qual o feriado que se estava a comemorar.

O Presidente da República entendeu que, devido à pandemia e à premente necessidade de respeitar o distanciamento social, as comemorações deste ano deveriam decorrer com a mínima participação possível.

Contudo, poucos dias antes, o senhor Presidente da República não se coibiu de se emaranhar no Campo Pequeno, juntamente com mais 2 mil pessoas para assistir ao “Deixem o Pimba em Paz”, do Bruno Nogueira, que está com a cotação mediática em alta.

Se alguém ainda tinha dúvidas sobre as razões que norteiam Marcelo Rebelo de Sousa, os últimos dias dissiparam-nas completamente, mesmo para os mais cegos, perdão, cépticos. Marcelo vai à praia, onde estão centenas de pessoas (e as câmaras da TV), porque entende que não há nenhum problema em respeitar o distanciamento social. Marcelo junta-se a 2 mil pessoas no Campo Pequeno (e às câmaras de TV), por ter a certeza de que as regras de distanciamento estão a ser respeitadas, mas não é capaz de organizar as celebrações do 10 de Junho condignamente, por não querer contribuir para o desrespeito das regras de distanciamento social.

Ó senhor Presidente, então, por que razão não pediu ao Bruno Nogueira para organizar a coisa? Não creio que houvesse algo de mal nisso. Depois de João Miguel Tavares, qualquer outra escolha representaria sempre uma subida de nível.