Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Eurostat é a estatística que aquece o coração

Um estudo recente do Eurostat revelou que 19,4% dos portugueses não tem capacidade financeira para aquecer as suas casas. Pelo que tenho lido e escutado, parece que a maioria das pessoas considerou tratar-se de uma quantidade preocupante e, apesar de inquietante, eu até considero o valor apresentado pelo Eurostat bastante quentinho.

Não sei qual a metodologia usada pelo organismo europeu no referido estudo, o que sei é que a quantidade de portugueses que não tem capacidade financeira para manter as suas casas devidamente aquecidas é muito, mas mesmo muito superior àquela que foi denunciada pelo estudo.

Toda a gente sabe que a maioria dos portugueses não tem capacidade para custear o tão desejado e merecido conforto térmico nos seus lares. Quando muito, conseguem amenizar o desconforto térmico em apenas uma ou, no máximo, duas divisões das suas casas e, somente, durante um período horário não superior a meia dúzia de horas por dia. Se atentarmos no facto de que a maioria da população idosa ser aquela que apresenta maior necessidade de atenuar o desconforto térmico, ser também aquela que apresenta menor rendimento e, acima de tudo, aquela que passa mais tempo nas suas casas, logo se conclui que não têm condições financeiras para fazer face a esta necessidade. Mas, note-se, o problema estende-se a todas as faixas etárias da população, o exemplo da população mais envelhecida é apenas o mais incontestável.

Sabemos também que a maioria das casas em Portugal são altamente ineficientes em termos energéticos. Pensemos numa casa com seis divisões e na quantidade de energia necessária para manter a habitação a uma temperatura de 20 graus centígrados. Qualquer que seja a fonte de energia utilizada acarretará uma factura de valor incomportável para maioria dos agregados familiares, não apenas a cerca de 20% da população. Eu diria que, se calhar, numa previsão até bastante optimista, apenas 20% dos portugueses conseguem manter as suas habitações adequadamente aquecidas.

Esta estatística do Eurostat é mesmo bastante quentinha, mas, tal como a Brasa, só aquece o coração.