Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Governo a brincar aos testes e a gozar com os portugueses

O governo decidiu proceder à realização de testes antigénio em algumas escolas. Portanto, além de decidir tarde e a más horas, ainda opta pela realização dos chamados testes rápidos que, como é sabido, tendem a apresentar uma quantidade significativa de resultados falsos negativos.

Vejamos, os testes rápidos são muito menos sensíveis do que os testes PCR e têm uma elevada probabilidade de apresentar resultados falsos negativos. Daí que NÃO se pode excluir a possibilidade de um indivíduo estar infectado com SARS-CoV-2, mesmo que o teste rápido apresente um resultado negativo.

Os testes rápidos só fazem sentido quando estamos na presença de surtos confirmados ou para diagnóstico de pessoas sintomáticas.

Realizar este tipo de testes nas escolas, neste momento e nas actuais circunstâncias, não faz qualquer sentido. Sabemos que a esmagadora maioria da população em idade escolar é assintomática, o que não significa que não possa contagiar, muito pelo contrário.

O governo só está a adiar o inadiável – e não é de agora – e a alocar recursos técnicos e humanos, numa campanha que só tem como objectivo dar cobertura ao discurso falacioso que o governo tem mantido sobre a questão das escolas.

Chega a ser criminosa esta atitude do governo, perante o cenário catastrófico que o país atravessa, com centenas de pessoas a morrer todos os dias.

1 comentário

Comentar post