Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Marcelo já erradicou a população sem-abrigo?

Uma das promessas de Marcelo foi a de acabar com os sem-abrigo. Se bem me lembro, ele apontou o ano de 2023 para concluir tal objectivo, algo que não se percebe muito bem, já que ele fez a promessa no início do seu mandato presidencial e, segundo ele próprio, só decidiu recandidatar-se há poucas semanas, tendo apontado a pandemia como razão da recandidatura. Se previu cumprir esse desígnio já na qualidade de ex-Presidente da República, então, porque não avançou com esse propósito há muito mais tempo? Bem antes de ser Presidente da República?

Convém também recordar que o direito à habitação e o acesso ao emprego são direitos devidamente consagrados na Constituição. Marcelo, que é um especialista em direito, terá conseguido interpretar no espírito da Lei, que esse desígnio constitucional tem como prazo de realização só lá para o ano de 2023. Coisas que só um predestinado consegue inferir.

Estamos em 2021 e quem ainda não tinha percebido, provavelmente já terá dado conta de que se trata de mais uma daquelas promessas fofinhas para ganhar popularidade e eleições.

É triste viver num país em que para resolver o flagelo dos sem-abrigo bastaria alocar não mais do que 1% do dinheiro que o Estado injectou na banca privada, só nos últimos anos.

E é também hilariante constatar que muitos estão dispostos a morrer pela defesa da Constituição, alegando que esta não permite o adiamento das eleições do próximo fim-de-semana, nas circunstâncias actuais. Ou seja, adiar um acto eleitoral que decorrerá em plena pandemia e confinamento geral obrigatório, não senhor, porque não se pode andar a brincar com a Constituição. Mas, se for para garantir direitos essenciais como o acesso à habitação e ao emprego, ou à saúde, que se f*** a Constituição, não é verdade?

1 comentário

Comentar post