Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Mensagem de esperança aos novos governantes

Passos e Portas conseguiram constituir um governo, que será empossado na próxima sexta-feira ao meio-dia (depois da missa das 11h), é que entretanto, o Cavaco decidiu ir espairecer as ideias até Roma. Não me espanta nada que venha de lá com ideias imperialistas, afinal, o que conta é a tradição.

 

Mas falemos um pouco deste novo governo. Ele é secretários de estado "promovidos" a ministros, ele é dirigentes das máquinas partidárias "promovidos" a ministros, ele é criar novos ministérios como a da Cultura, numa tentativa de demonstrar uma fingida aproximação ao PS. Até o Mimoso Negrão tem direito a pasta, a ver se pára de choramingar por não ter sido eleito Presidente da Assembleia da República. Enfim, há encenações para todos os gostos. Afinal, todos (excepto o José Gomes Ferreira) sabem que este governo não durará mais tempo do que um peixe fora da água.

 

Também todos perceberam que, pelos nomes que compõem este governo, não foi possível arranjar pior. Então a estratégia de Passos e Portas foi virarem-se para dentro dos seus partidos, lançar os "convites" com a indicação "RSVP: quem disser que não f...-se", e todos disseram que sim, obviamente.

 

Mas atenção. Eu tenho uma mensagem de esperança para aqueles que vão tomar posse na sexta-feira. Eu compreendo que estejam desanimados por terem sido "convidados" só porque mais ninguém aceita e porque é para tombar na primeira curva, mas isso não é motivo para desânimos, muito pelo contrário. O cenário de um governo relâmpago PSD/CDS não é novo, ou já se esqueceram do governo de Santana/Portas? Animem-se! Um governo de incompetentes e de curta duração não significa o fim da linha. Reparem só:

 

- António Mexia, depois de uma curta passagem pelo ministério das obras públicas, transportes e comunicações chegou logo de seguida à presidência do conselho de administração da EDP;

- José Luís Arnaut fez parte do mesmo governo relâmpago e chegou, mais tarde, ao "international advisory board" do Goldman Sachs, onde apoiou a decisão de financiar o BES em centenas de milhões de euros, pouco tempo antes deste sucumbir;

- O próprio Santana Lopes, que liderou esse governo relâmpago, hoje é Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Desenganem-se os que acham que é pouca coisa;

- António Monteiro, depois da curta governação andou a passear pela ONU e, um pouco mais tarde chegou ao topo do BCP;

- Daniel Sanches (este é o meu preferido), foi ministro da administração interna nesse governo fugaz, também era amigo de Dias Loureiro (o que explica muito). Três dias depois das eleições, adjudicou 500 milhões de euros a um consórcio liderado pela SLN, uma holding onde o próprio havia trabalhado antes de ser ministro. Em 2010 aposentou-se com uma reforma de mais de 7 mil euros mensais só por ter passado pelo BPN;

- Graça Carvalho chegou a deputada no Parlamento Europeu;

- Nobre Guedes também foi um dos que passeou nesse governo, foi pouco tempo, mas ainda deu para despachar a aprovação do empreendimento turístico da Portucale (submarinos, contrapartidas, dinheiro na conta do CDS, lembram-se?);

- Carlos Costa Neves foi outro que esteve ligado ao mesmo caso "Portucale" e, portanto, sabe muito bem que vale bem a pena integrar novamente um governo "vai ser bom, não foi?";

- Ah! Falta o Telmo Correia, que enquanto ministro do turismo também esteve relacionado com a mesma tramóia;

- Etc. A lista de bons exemplos poderia continuar...

 

Portanto, animem-se malta, as oportunidades serão muitas. Quanto mais não seja, uma semanita no governo dará sempre tempo para fazer pelo menos umas 100 nomeações.