Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

“Não compreendo o teu conceito de cristão”

via-sacra.jpg

Hoje, Sexta-feira Santa, tal como é habitual decorrerá em Roma a Via-Sacra. Para a celebração deste ano, o Vaticano decidiu que numa das estações (na 13.ª de um total de 14), a cruz de Cristo será carregada pelas famílias de duas mulheres, uma russa e outra ucraniana.

Ora, foi aqui que estalou o verniz a determinados seres especiais de nacionalidade ucraniana. Certamente que todos aqueles que não andam por aí distraídos com folclores, já terão notado que ultimamente os cidadãos ucranianos tornaram-se numa espécie de seres santificados. Já os de nacionalidade russa são satânicos e têm que ser excluídos de tudo.

Vejamos, a ideia do Vaticano – não me admirava nada que tenha mesmo partido do Papa Francisco – em colocar duas famílias (uma russa e outra ucraniana) a carregar a cruz de Cristo na mesma estação da Via-Sacra (referente à retirada de Jesus Cristo da cruz) é a metáfora perfeita para o momento que estamos a viver. Além disso, as duas mulheres (russa e ucraniana) referidas no comunicado disponibilizado pelo Vaticano são amigas e até trabalham juntas, numa instituição de solidariedade social.

Portanto, um acto simbólico que poderia e deveria ser utilizado – especialmente pelos ucranianos – como um exemplo real de que as diferenças entre os líderes políticos e a guerra não conseguem quebrar os laços de amizade e irmandade existente entre estes dois povos, está a ser utilizado (por alguns ucranianos) como mais um factor de separação e de fomento do ódio. Como se ucranianos e russos não pudessem conviver pacificamente. Como se não houvesse inúmeras famílias contendo pessoas das duas nacionalidades. Como se não houvesse uma longa história em comum entre estes dois povos.

Isto fez-me lembrar aqueles seres especiais, superiores e inteligentes, que há não muito tempo atrás fizeram questão de afirmar publicamente que tinham terminado as suas relações de amizade com certas pessoas - esses hereges - que se recusaram a tomar a vacina contra a Covid-19.

Esta gentinha deve andar possuída. Podiam aproveitar o tempo pascal para exorcizar os seus demónios. 

4 comentários

Comentar post