Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Nuno Melo não é candidato. Que pena!

Eu estava a torcer tanto para que fosse Nuno Melo o sucessor de Paulo Portas. Com Nuno Melo, o CDS estaria definitivamente condenado ao desaparecimento. Mas Paulo Portas continua a demonstrar quem é que manda e continuará a mandar no “seu” partido. Ao contrário do que afirmou Nuno Melo na declaração que fez ao início da tarde, o CDS continua a ser o partido de um homem só – Paulo Portas – e foi ele quem escolheu Cristas para ocupar o “seu” lugar. Portas que, segundo consta é um “burro autenticamente”, não é estúpido. Sabe muito bem que Assunção Cristas é a melhor candidata, é aquela que conseguirá dar continuidade ao “portismo” e manter as tropas enfileiradas, é quem está em melhores condições de obedecer às ordens de Portas e que mais facilmente conseguirá cativar a simpatia do eleitorado.

 

Acerca das justificações de Nuno Melo para não se candidatar agora, importa salientar o seguinte:

 

- Nuno Melo disse que “cumpriu todos os mandatos para que foi eleito…” e que agora é “eurodeputado…” e pretende cumprir o mandato. Todos sabemos que Nuno Melo adora cumprir mandatos. Assim como também sabemos que nunca teve, não tem, nem nunca terá outra forma de “ganhar a vida”, que não seja à custa dos contribuintes. Cumpre religiosamente os seus mandatos, com especial prazer nas consultas que faz ao saldo da conta bancária no final de cada mês.

 

- Fez questão de recalcar que é eurodeputado e que, por essa razão, não terá disponibilidade para estar sempre presente na vida política nacional, onde o líder do CDS tem como principal missão confrontar o Primeiro-ministro e seu governo. Pois não parece que assim seja. Nuno Melo passa mais tempo em Portugal do que em Bruxelas, dedica todo o seu tempo a falar da política nacional, do PS, de Sócrates e agora, de toda a esquerda. E não se lhe reconhece nenhuma medida ou pensamento político que tenha implementado a partir de Bruxelas.

 

- Disse ainda que “os deputados eleitos nas listas do CDS são mandatos ao serviço do partido”. É bom ouvir Nuno Melo assumir que os deputados do CDS não estão ao serviço das pessoas que neles votaram, mas sim ao serviço do partido. Não é que eu já não soubesse, mas é sempre bom ter estas declarações feitas pelos próprios.

 

- Por último, importa ainda salientar que para Nuno Melo, “a Assembleia da República é o centro da vida política nacional…”. Eu sempre considerei isso um facto consumado, mas desconhecia que Nuno Melo pensasse dessa forma.

 

Pois é… Nuno Melo queria muito avançar para a liderança, queria cantar de galo, mas ainda lhe falta a crista.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.