Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

RAPIDINHA

VIVA A DEMOCRACIA!

O c****lho do Caldas

paulo_portas.jpg

Paulo Portas, que foi outrora o líder do partido do largo do Caldas, marcou presença no comício da AD, ontem, nas Caldas da Rainha.

E, como era de se esperar, Portas subiu ao palanque para fazer o seu habitual número de politiquice trambiqueira.

A dada altura, Portas tentou fazer um número engraçado acerca de Pedro Nuno Santos (PNS) – hoje todos os que sobem a um palanque julgam que são comediantes. Paulo Portas acusou o líder do PS de andar aos ziguezagues. Portas disse que PNS terá assumido as seguintes posições:

“Não viabilizo um governo da AD”. E Portas atribui um provocante “zigue” à afirmação.

“Talvez viabilize um governo da AD”. E agora, Portas lança um jocoso “zague”.

“Retiro o que disse sobre viabilizar”. Novamente “zigue”.

“Afinal não retiro nem mantenho o que tinha dito no dia anterior”. E outra vez “zague”.

Logo de seguida, Paulo Portas discorre sobre “o tal partido extremista”. Portas diz:

“Ameaçam fazer uma moção de rejeição contra a AD”. Portas classifica a afirmação como “pingue”.

“Depois, que suspendem a decisão de apresentar uma moção de rejeição”. E aí vai um ”pongue".

“A seguir, logo vejo caso a caso”. Novamente um “pingue”.

“E agora, não governo porque eu não deixo”. E outro “pongue”.

A maralha de basbaques ria-se como se do melhor espectáculo de comédia se tratasse. E, se calhar, bem vistas as coisas, o número de circo até nem estava nada mal, considerando o protagonista.

E para coroar a performance, Paulo Portas ainda afirmou que “esta campanha eleitoral, que só aconteceu porque o primeiro-ministro (António Costa) se demitiu, ou seja, como se diz agora, foi para o balneário antes do intervalo”.

Tudo isto foi dito - sem qualquer pejo - pelo gajo que na qualidade de líder de um dos partidos que formavam uma coligação governativa e no desempenho das funções de Ministro dos Negócios Estrangeiros se demitiu irrevogavelmente desse governo, em 2013 – portanto, a meio do jogo -, para voltar atrás com a palavra quatro dias depois, logo após muita roupa suja ter sido lavada no balneário e de este ter sido promovido a sub-capitão de equipa. Mas que belo ziguezague. Provavelmente, um dos maiores de toda a história da política nacional.

Portas é também aquele que em Junho de 2016 – muito antes do intervalo - abandonou o cargo de deputado na Assembleia da República – defecando no mandato que o povo lhe confiou - para ir, todo lampeiro, receber o que eventualmente considerava ser seu por direito, no maravilhoso e gratificante parque de diversões do senhor Mota.

É este o tipo de gente que circula pelos corredores do poder político e que, num repentino girar de portas, vão parar ao board de grandes empresas privadas, aquelas que mantêm grandes negociatas com o Estado. É também o tipo de gente que tem lugar cativo nos principais canais de televisão e da propaganda. E que ainda têm toda a lata do mundo para apontar nos outros, aqueles que são os seus maiores defeitos congénitos.

É o verdadeiro c****lho do Caldas.