Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

RAPIDINHA

VIVA A DEMOCRACIA!

O “insuspeito” Luís Montenegro

montenegro.jpg

O líder do PSD, Luís Montenegro, desafiou António Costa a dar aos actuais membros do seu governo o questionário que criou para escrutinar os futuros governantes, para que possa aferir se mantém a confiança neles.

Por aqui se vê que o líder do PSD acredita – tal como António Costa e o seu partido - que um patético e hipócrita questionário é que vai aferir a idoneidade de uma pessoa, como se os partidos não conhecessem “de ginjeira” a malta que é convidada a assumir os tachos e tachinhos. Não só os conhecem bem, como só os promovem a governantes precisamente pelas peculiares qualidades que eles demonstraram ao longo desse árduo percurso que é caminhada para o poder.

Não obstante, Montenegro tem razão no desafio que lançou a António Costa, porque se este acredita que o questionário tem utilidade deve começar por entregá-lo a todos os elementos que já estão no seu governo. Até porque, como se tem visto, António Costa não faz a mínima ideia de quem são e de qual foi o seu percurso.

Contudo, sem qualquer surpresa, Montenegro falha rotundamente no alcance do seu repto. O líder do PSD deveria disponibilizar-se para, ele próprio e os membros do seu partido, responderem ao mesmo questionário, já. Obviamente que me refiro a todos os “membros de topo” do seu partido, ou seja, aos potenciais integrantes de um futuro governo. Só para antecipar a idoneidade da “alternativa”.

Se o líder do PSD pretende que a sua proposta seja levada a sério, deve começar por submeter o seu próprio partido à implementação da mesma, até porque ele próprio se encontra sob suspeita. E não é a primeira vez.

Quer PS quer PSD entendem e apregoam aos sete ventos que só eles é que são “partidos de governo”, e têm conseguido convencer a esmagadora maioria dos portugueses dessa falácia. Por conseguinte, não faria muito sentido exigir aos demais partidos que respondam ao questionário do algodão.