Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

O luto "subvencionado" de Maria de Belém

Maria de Belém foi a única candidata que não marcou presença no último debate televisivo da campanha para as presidenciais. Justificou a sua ausência com o falecimento de Almeida Santos. Os sentimentos das pessoas só a si dizem respeito, contudo, estando na última semana de campanha e sendo esta a última oportunidade para o debate frontal de ideias, não me parece que a decisão de Maria de Belém tenha sido a mais acertada.

 

Não seria pelo facto de participar num debate que Maria de Belém estaria a desrespeitar o seu camarada Almeida Santos, muito pelo contrário, se havia forma de o homenagear era participando activa e construtivamente no debate, coisa que Almeida Santos sempre fez. Maria de Belém já havia cancelado parte da agenda de campanha, esteve ontem presente no velório e hoje nas últimas cerimónias fúnebres, portanto, não há mesmo nenhuma justificação para não ter comparecido no debate televisivo de ontem à noite.

 

Mas, se calhar há um motivo especial que justifica a sua ausência. É que o Tribunal Constitucional acabou de declarar inconstitucional a suspensão de subvenções vitalícias a políticos. Alguns deputados apresentaram um pedido de inconstitucionalidade no referido tribunal, para que as subvenções vitalícias a políticos fossem repostas. De entre os nomes de deputados que assinaram o pedido de inconstitucionalidade está o nome de Maria de Belém. É um facto que a mesma já havia tentado evitar falar na campanha e que sabia de antemão que seria confrontada no debate televisivo. Por isso e só por isso Maria de Belém fugiu ao último debate televisivo, onde seria definitivamente cilindrada.

 

Maria de Belém começou por se afirmar como sendo “a candidata independente”, sendo depois “a candidata socialista” e, agora, passou também a ser “a candidata marcelista”, na medida em que também se apresenta uma especialista na arte do disfarce, tal como Marcelo. Como não gosto que me tomem por parvo, não votarei nem num nem noutro.