Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

RAPIDINHA

O R.A.P. é uma piada

rap_papa.jpg

Ricardo Araújo Pereira (RAP) – o maior humorista da aldeia – foi a Roma, mas não foi para ver o Papa. Na verdade, RAP esteve em Roma a convite do Vaticano, para um evento que reuniu o sumo pontífice e uma catrefada de humoristas de todo o mundo. Com ele (o RAP) foram também Maria Rueff e Joana Marques.

Mas, como referi, o RAP não foi a Roma para ver o Papa. Ele até é ateu, pelo que não se esperaria que estivesse muito interessado em visitar o Vaticano. No entanto, RAP aceitou o convite sem hesitar e lá foi, todo contentito, porque sabia que os seus maiores ídolos iriam marcar presença no evento.

O RAP só lá foi para ver se conseguia obter uns autógrafos e tirar umas selfies com o Jimmy Fallon, o Conan O’Brien, o Chris Rock, a Whoopi Goldberg ou o Stephen Colbert. E não se deu o caso de Jon Stewart marcar presença no evento, caso contrário, o RAP – que é ateu, não sei se já referi isso? – era rapazinho para dar sete voltas à Basílica de São Pedro, de joelhos, só para poder respirar o mesmo ar que o seu deus maior.

Entretanto, o Papa – que é um indivíduo bem-humorado – desafiou os humoristas convidados a que pudessem brincar com tudo, porque é possível rir de tudo, até mesmo de Deus. Na verdade, o Papa estava a dar um puxão de orelhas àquela malta que, desde há uns tempos a esta parte, abdicou totalmente de brincar com determinados assuntos e determinadas entidades (e não estou a falar de Deus). Se bem têm notado, os humoristas do momento, que tanto gostam de reclamar sobre os limites ao humor – que na opinião deles não deve ter limites – são os mesmos que se auto-censuram e que impõem limites a eles próprios. Há – sem dúvida alguma – assuntos e pessoas que para eles são sagrados. Até mesmo para os ateus.

Mas eu, que sou crente e acredito em milagres, estou confiante de que agora que o Papa disse que é possível “rir de Deus”, talvez os humoristas – sobretudo o “maior humorista da aldeia” - ganhem coragem e se dignem fazer uma pequenina rábula – apenas uma para amostra – acerca daqueles que são os seus pequenos deuses, aos quais eles não se atrevem lançar qualquer olhar satírico. Devem ter medo de ir parar ao Inferno.