Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

RAPIDINHA

A cotação do petróleo continua em queda, mas os combustíveis vão aumentar. Porquê? Porque sim. Além disso, o Euro2024 está a começar e andam todos distraídos a bater palmas ao autocarro da selecção... portanto, é uma boa altura para aumentar os preços.

Os Idiotas Liberais (IL)

Os Idiotas Liberais defendem um Estado pouco interventivo, um Estado que não se intrometa na actividade privada. No fundo, os IL idealizam e fantasiam a total ausência de Estado, por considerarem que este não serve para nada.

Os Idiotas Liberais querem que o Estado, agora, recorra fortemente às unidades privadas de saúde, para tentar reduzir as filas de espera de exames e cirurgias que ficaram adiadas durante os últimos meses. E quando dizem “recorrer fortemente”, querem mesmo dizer “forte e feio”, ou seja, a qualquer preço.

Os Idiotas Liberais acusam o Estado de apresentar um SNS que não é capaz de satisfazer as necessidades dos utentes e que, por essa razão, deve recorrer aos privados. Acusam ainda o Estado de ter atrasado a realização de exames de diagnóstico e cirurgias, durante o período mais crítico da pandemia.

Aquilo que os Idiotas Liberais fazem de conta que não sabem é que as unidades privadas de saúde se recusaram a tratar doentes com coronavírus, contribuindo também para que o SNS não pudesse dar seguimento à realização de muitos exames e cirurgias que estavam programados. Agora, só agora, parecem estar muito interessados em ajudar o SNS, por um preço especial, claro.

Os Idiotas Liberais alegam que os privados da saúde não estavam preparados para o combate ao coronavírus, como se alguém, em qualquer parte do mundo estivesse.

Os Idiotas Liberais não sabem para que serve o Estado, apenas sabem que costuma passar uns cheques bem chorudos, aos quais devem a sua existência.

2 comentários

Comentar post