Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

RAPIDINHA

VIVA A DEMOCRACIA!

Parece que no teatro de operações também há “teatro de refeições”

A IGAI (Inspecção-Geral da Administração Interna) detectou fraude no número de refeições facturadas à Protecção Civil, aquando dos incêndios ocorridos em Mação. Contudo, a IGAI suspeita que esta fraude seja prática corrente em todos os incêndios florestais.

 

Só para que se tenha uma ideia, a IGAI detectou a facturação de 2755 pequenos-almoços quando no terreno se encontravam 743 bombeiros. Parece que os passarinhos, ou passarocos, também apareceram para o pequeno-almoço. Numa outra situação foram facturados cerca de 1000 jantares para um total de cerca de 500 bombeiros no terreno.

 

O presidente da Liga dos Bombeiros, Jaime Marta Soares, já veio recusar veementemente as acusações de qualquer tipo de fraude, afirmando que não há nenhuma irregularidade. Marta Soares remete para a Protecção Civil, qualquer incongruência que possa existir nesta matéria. Ou seja, Marta Soares e a habitual predilecção pela Protecção Civil.

 

É óbvio que é a Protecção Civil (o Estado) que paga a factura, mas quem indica o número de refeições necessárias é o comando operacional no terreno, ou seja, os bombeiros.

 

Marta Soares também referiu que não são só os bombeiros a consumir refeições no terreno. Também os GIPS e demais elementos da GNR consomem refeições no teatro de operações e que é necessário contabiliza-las devidamente, acrescentou o presidente da Liga dos Bombeiros.

 

Ora, deixa cá ver se eu entendi bem aquilo que disse Marta Soares. Portanto, se temos 500 bombeiros e são facturadas 1000 refeições, isso significa que, no local, estavam 500 GIPS e outros elementos da GNR. Não será “um bocadinho” descabido? Eu até cheguei a ponderar se Marta Soares quereria dizer “Jeeps” em vez de GIPS, é que os “Jeeps” consomem muito, de facto. Isso e mais uma meia-dúzia de guardas pançudos já justificaria algum acréscimo de refeições facturadas, agora, o dobro? O senhor Jaime Marta Soares terá que rever as suas contas.

 

Antes de terminar, só mais uma coisinha. Estarei eu a ser atraiçoado pela minha memória, ou sempre que há um grande incêndio ouvimos dizer que os profissionais no terreno não estão a ter o devido apoio, em termos de alimentação e que, muitas vezes, é a própria população que lhes oferece as refeições? Sabemos também que a Liga dos Bombeiros tem acordos com algumas entidades para o fornecimento de alimentos aos bombeiros. Por exemplo, os cabazes Lidl. O próprio Jaime Marta Soares já disse, em tempos, que “são muitas as instituições que estão sempre disponíveis para a ajudar os bombeiros, quando é necessário”.

 

Ora, sabemos que cabe a Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) garantir que os bombeiros são devidamente alimentados. Mas, quando vejo tamanha discrepância leva-me a crer que no teatro de operações em incêndios também se faz “teatro de refeições”.