Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Que se lixem as eleições, perdão, venham elas e já!

Em 2012, Passos proferiu a célebre frase: "Que se lixem as eleições, o que interessa é Portugal". Disse-o ainda na fase inicial do seu reinado e, mesmo tendo milhões de pessoas por todo o país a clamar por eleições antecipadas, Passos nunca quis sequer ouvir falar no assunto.

 

Em 2014, bem como no início deste ano, voltou-se a exigir eleições antecipadas e bastaria que Cavaco Silva, padrinho e mentor do governo de Passos e Portas, quisesse e nada do que estamos agora a assistir aconteceria. Se as eleições tivessem sido no primeiro semestre deste ano e o cenário fosse o mesmo, Cavaco já poderia dissolver o Parlamento, coisa que agora tanto deseja mas não pode fazer. É a ironia do destino. Cavaco não quis antecipar as eleições porque ficou à espera que as sondagens favorecessem o seu governo. Agora aguenta!

 

Mas o mais cómico de toda esta situação é ver a que ponto pode chegar o desespero de PSD e CDS, tendo atingido agora o seu ponto culminante (vejamos o que se seguirá) pela voz de Passos Coelho. O homem já não quer que se lixem as eleições, agora deseja-as como nunca antes. Até está disposto a alterar a Constituição para que isso possa ser possível, ainda pelas mãos de Cavaco. Eu até me ponho a pensar de qual cabecinha terá saído esta ideia. Da de Passos? Portas? Cavaco? Isto é que é querer o poder a qualquer custo

 

Verdade seja dita, esta gente sempre se esteve nas tintas para a Constituição, mas é muito estranho que durante os últimos quatro anos nunca tenham tentado mudar a Constituição, nos mesmos moldes em que pretendem fazê-lo agora.

 

Mas ainda se impõe fazer a seguinte pergunta: E se o resultado de eventuais novas eleições fosse o mesmo? O que diriam aqueles que agora, em desespero de causa, tanto as pedem. Provavelmente voltariam a exigir novas eleições, até que o resultado lhes servisse.