Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

RAPIDINHA

A cotação do petróleo continua em queda, mas os combustíveis vão aumentar. Porquê? Porque sim. Além disso, o Euro2024 está a começar e andam todos distraídos a bater palmas ao autocarro da selecção... portanto, é uma boa altura para aumentar os preços.

Quem foi que elegeu esta fulaninha?

lagarde_wef.jpg

Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu (BCE), já avisou que as taxas de juro vão continuar a aumentar. E, agora, decidiu culpar os trabalhadores pelo “valor exagerado dos seus salários”. Lagarde disse que os trabalhadores “têm que ter a noção de que ao terem aumentos salariais estão a pôr em risco a economia”

Christine Largade é uma fulaninha que sempre viveu na alta-roda da finança, que conhece bem os corredores do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Fórum Económico Mundial (FEM) e que foi parar à presidência do BCE, não por ter caído de pára-quedas, mas porque foi cirurgicamente escolhida para continuar a implementar as políticas económicas e monetárias que servem os interesses daqueles que a escolheram.

E quem foi que a escolheu? Foram os cidadãos europeus? Não. Foi a meia dúzia que agora vê as suas contas milionárias e o seu património a multiplicar-se.

Quem é que ainda consegue suportar a existência de um sistema político que, independentemente das origens das mais diversas crises (quase sempre ficcionadas), se limita a aplicar sempre a mesma receita – aquela que massacra, explora e rapa a classe trabalhadora em favor de uma minoria de vampiros que controla esse mesmo sistema político?

Chamam a isto viver em democracia? Chamam a isto viver em liberdade? Chamam a isto “defender o nosso modo de vida”?

Christine Lagarde culpa os “salários exagerados” dos trabalhadores europeus e já adiantou que os vai castigar com mais aumentos nas taxas de juro, algo que vai colocar muitas famílias europeias no limiar da pobreza e outras tantas fora das suas casas.

Lagarde aufere um salário anual superior a 400 mil euros, mais casa oferecida, mais seguros de saúde, de acidentes e outras conezias que, no total, ultrapassam os 1,2 milhões de euros anuais.

Viva a “nossa democracia”, a “nossa liberdade” e “o nosso modo de vida”.

2 comentários

Comentar post