Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Roger Waters para totós (ou fanáticos por Bolsonaro)

Roger Waters está no Brasil para uma série de 8 concertos, sendo que 4 já aconteceram. Os primeiros 2 concertos foram em São Paulo, onde o artista foi vaiado por ter demonstrado ser contra a eleição de Bolsonaro para a presidência do Brasil.

 

Parece que algumas das pessoas presentes no espectáculo, afinal, não eram fãs do fundador da banda Pink Floyd, mas sim do candidato Jair Bolsonaro. Sim, porque a ideia de que é possível ser fã de ambos não é sequer concebível. Ainda que alguns fanáticos por Bolsonaro considerem que sim.

 

E o que dizem os fanáticos por Bolsonaro que foram assistir ao concerto do Roger Waters? Que o músico inglês não tem nada que fazer política nos seus espectáculos. Que Roger Waters não tem que manifestar a sua opinião sobre eleições de um país que não é o seu. E que deve limitar-se a tocar e cantar porque foi para isso que foi chamado.

 

Inacreditável não é? Não o facto de essas pessoas terem manifestado intolerância e falta de espírito democrático, mas sim o facto de demonstrarem que não fazem nenhuma ideia de quem é Roger Waters.

 

Vamos lá então explicar aos totós fanáticos por Bolsonaro, quem é Roger Waters.

 

Roger Waters é um músico, escritor, cantor, compositor e um dos fundadores da banda inglesa Pink Floyd. Waters é também um activista político, social e ambiental. As canções que escreveu, quer na era Pink Floyd quer a solo, os discos que editou, com a banda e a solo, bem como, e agora muita atenção, todos os seus espectáculos são momentos de activismo e não apenas de performance musical. Toda a actividade de Roger Waters é uma celebração da paz, da vida e do amor ao próximo. Ou seja, tudo aquilo que o fascismo não é.

 

Ir a um concerto do Roger Waters e esperar que ele não faça afirmações políticas é completamente estúpido, desde logo porque grande parte das suas canções o são. Parece que até estou a ver os “fanáticos por Bolsonaro” a cantarem todos contentitos a canção “Pigs (Three Different Ones)” e depois a vaiar o Roger Waters por apresentar um #EleNão no ecrã e fazer um pequeno discurso anti-fascista. Caros fanáticos por Bolsonaro, o tema “Pigs (Three Different Ones)” não é a história dos Três Porquinhos. A canção “Picture That” não é sobre tirar selfies. “Smell the Roses” não é sobre jardinagem. “Another Brick In The Wall” não é sobre o dia-a-dia de um pedreiro.

 

Pensando bem, não seria de esperar outra atitude por parte de quem apoia Bolsonaro.

 

Bolsominions, ha ha, charade you are!

114 comentários

Comentar post

Pág. 1/3