Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Sondagens, comentários, ao serviço de quem?

 

 

                                           Retirado de www.rtp.pt

 

 

Mas alguém acredita nisto?

 

É sabido que a RTP anda com as audiências em baixo, mas daí a ter o descaramento de apresentar uma falsidade destas é obra. Se fosse uma sondagem apenas falsa, à semelhança de todas as outras, teria pouco impacto, era apenas mais uma, assim, a RTP deu-se ao desplante de apresentar uma sondagem com resultados não apenas falsos, mas cómicos. Afinal, todos já se aperceberam que é a comédia da política que traz boas audiências, a TVI que o diga.

 

Alguém na posse de todas as faculdades mentais acredita que 43% do eleitorado tenciona votar na coligação PàF? Anedótico…

 

Já no canal laranja, Marques Mendes continua a sua senda de comentários tendenciosos. Desta vez, disse que o défice deste ano pode não ficar nos 2,7%, mas que não ficará acima de 2,9%, tem a certeza diz ele. Disse isto com a mesma falta de vergonha com que afirmou, em nome da coligação PàF, que se o Novo Banco for vendido por um valor abaixo do montante injectado pelo Fundo de Resolução (o Estado meteu cerca de 80% do capital - 4,9 mil milhões de euros), os bolsos dos contribuintes não serão afectados, serão os bancos a suportar as perdas. Portanto, os bancos é que vão pagar aquilo que o Estado poderá perder. Haja lata e um tremendo acobertamento jornalístico para permitir que se digam tantas aldrabices em directo e no horário nobre. Aproveitou ainda para corroborar as declarações do seu amigalhaço Passos Coelho, que ainda esta semana afirmou que o Estado português está a lucrar juros com o dinheiro que pôs no Fundo de Resolução do NB. A “latosa” deste indivíduo é, deveras, imperiosamente desproporcional ao seu tamanho.

 

Mais uma semana até às eleições. Muitas mais mentiras nos tentarão impingir, à força, através do chamado “quarto poder”, que é cada vez mais o primeiro poder. Agora até a RTP embarca nesta onda de opressão. A ideia da Imprensa como “cão de guarda” da sociedade está obsoleta. Os cães de guarda são agora cachorrinhos amestrados. Senta! Quieto! Late!