Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Até quando esta verborreia frenética?

11.10.21 | contrário | comentar
A directora-geral da saúde, Graça Freitas, apelou para que os funcionários de lares que ainda não foram vacinados o façam, como acto de solidariedade e responsabilidade. Sugeriu ainda que os lares devem reorganizar as suas tarefas por forma a que os funcionários não (...)

A bola de cristal de António Costa e outros reflexos

16.09.21 | contrário | comentar
António Costa tem uma bola de cristal, o problema é que a mesma não ajuda a prever acontecimentos futuros, apenas reflecte as qualidades de quem para ela olha: vaidade, impreparação, imprudência, insensatez, etc. Até há bem pouco tempo, o governo de António Costa (...)

Mais um lamentável episódio de leviandade

16.03.21 | contrário | comentar
Até ontem, as autoridades portuguesas da saúde garantiam muito solidamente que não havia nenhuma razão para suspender a administração da vacina da AstraZeneca, mesmo depois de vários países o terem feito, por haver suspeitas de que pode causar coágulos e (...)

Máscara obrigatória, mas pode-se fumar

08.10.20 | contrário | comentar
A Directora-Geral da Saúde, Graça Freitas, disse que a presença de público nos jogos da selecção nacional de futebol servirá para avaliar o comportamento das pessoas, nomeadamente nas entradas e saídas do estádio. Parece que, para a DGS, não é assim tão (...)

Viseira ou máscara? Quem autua os polícias?

23.07.20 | contrário | ver comentários (1)
   Imagem RTP   Se bem me lembro, a directora-geral da saúde disse que “a viseira não é um método que dispense a utilização de uma máscara”. Graça Freitas explicou que este tipo de equipamento “protege muito bem os olhos e o nariz, mas já não protege (...)

Sarampo, vacinação e tanto por explicar

20.03.18 | contrário | comentar
Mais um surto de sarampo e logo voltam as dúvidas sobre a propagação da doença. Recorde-se que a doença foi dada como erradicada em 2016. Curiosamente, muito pouco tempo depois começaram a surgir novos casos de pessoas infectadas em Portugal. E sempre que isso (...)