Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Neto de Moura outra vez

26.02.19 | contrário | ver comentários (5)
Mais uma decisão polémica a envolver o juiz Neto de Moura e, uma vez mais, num caso relacionado com o crime de violência doméstica. Desta vez, Neto de Moura decidiu revogar a aplicação da vigilância por meio de pulseira electrónica a que um indivíduo havia sido (...)

O meu amigo está inocente

10.12.18 | contrário | comentar
Condenaram o meu amigo, que é um santo homem de Deus, por corrupção, branqueamento de capitais, violação do segredo de justiça e falsificação. Condenaram o meu amigo mas não vão conseguir prendê-lo, porque graças a Deus (eu sou um homem de fé) há um preceito (...)

O juiz que inocenta Sócrates a cada entrevista que dá

22.10.18 | contrário | comentar
O juiz conspirador. O juiz que gosta de comentar os processos que conduz. O juiz que produz interpretações pessoais sobre os acusados. O juiz que não aprecia seguir os trâmites da justiça. O juiz que pensa que a justiça é ele próprio. O juiz que não acredita (...)

Estou bem tramado! Quem me ajuda?

11.05.18 | contrário | comentar
Lembrei-me agora, só agora (juro), que enquanto José Sócrates foi primeiro-ministro cruzei-me com eles duas vezes. Volto a jurar que foram só duas vezes. Reconheço que deveria ter feito o possível e o impossível para que não tivesse acontecido, pelo menos a segunda (...)

No dia da Liberdade, falemos de libertinagem

25.04.18 | contrário | comentar
O director de informação da SIC, Ricardo Costa, finalmente, apresentou-se para justificar a opção da SIC em transmitir as imagens dos interrogatórios da “Operação Marquês”. Comecemos por esta afirmação de Ricardo Costa:   “Os jornalistas não são juízes (...)

Sócrates é o Culpado Disto Tudo

24.04.18 | contrário | comentar
Toda a gente sabe que Ricardo Salgado era o “dono disto tudo” (se calhar ainda é), o que sempre intrigou a maioria dos portugueses era saber quem é o “culpado disto tudo”. Os portugueses sempre desconfiaram da classe política e sempre suspeitaram que, muito (...)