Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Tenha vergonha senhor Lacerda Sales e demita-se

lacerda_sales.jpg

O senhor secretário de estado adjunto e da saúde disse (ontem) que 90% dos internamentos em UCI correspondem a pessoas não vacinadas. Será que afirmação de Lacerda Sales tem algum tipo de aderência com a lógica dos números – os de agora e os de antes?

Vejamos, a 10 de Agosto de 2021, Graça Freitas dizia: "Estas pessoas [óbitos] estão quase todas vacinadas e receberam as marcas de vacinas que eram aconselhadas para este grupo etário. Faz parte da sua efectividade. O que está a acontecer está de acordo com o que é esperado". Ora, a senhora directora-geral da saúde não especificou, na altura, o que significava “quase todas”, pelo que vou assumir uma taxa de pelo menos 90%, para que possamos apurar valores absolutos.

Considerando que a percentagem de óbitos por estado vacinal não será muito diferente da percentagem de internamentos registada em UCI, assumamos também que o valor é o mesmo (90%).

Então, vejamos como era a situação a 10 de Agosto de 2021 (UCI e óbitos totais):

- 56,5% da população completamente vacinada (cerca de 5,8 milhões de pessoas)

- cerca de 4,5 milhões de pessoas não vacinadas

- 191 casos em UCI

- 17 óbitos

Admitindo os tais 90% (“quase todas”, como referiu Graça Freitas) de pessoas completamente vacinadas nos óbitos e em UCI (por analogia):

- 172 casos em UCI (pessoas vacinadas) vs. 19 casos em UCI (pessoas não vacinadas)

- 15 óbitos em vacinados vs. 2 óbitos em não vacinados

Comparemos com os números actuais totais (UCI e óbitos registados a 3 de Janeiro de 2022):

- 90% da população completamente vacinada (cerca de 9,3 milhões de pessoas)

- cerca de um milhão de pessoas não vacinadas

- 147 casos em UCI

- 10 óbitos

Admitindo agora os tais 90% (que Lacerda Sales referiu) de pessoas não vacinadas em UCI (e óbitos, por analogia):

- 15 casos em UCI (pessoas vacinadas) vs. 132 casos em UCI (pessoas não vacinadas)

- 1 óbito em vacinados vs. 9 óbitos em não vacinados

A conclusão que se pode retirar das afirmações de Lacerda Sales (ontem) por contraposição das que proferiu Graça Freitas a 10 de Agosto de 2021 é a seguinte:

Com uma população de 4,5 milhões de pessoas não vacinadas (em Agosto de 2021), em UCI estavam 19 pessoas não vacinadas. Agora, com apenas cerca de um milhão de pessoas não vacinadas (4,5 vezes menos), temos 132 casos (não vacinados) em UCI. Ou seja, com 4,5 vezes menos pessoas não vacinadas, parece que temos 7 vezes mais casos em UCI.

Quão idiota e/ou maliciosa tem que ser uma pessoa para proferir uma insanidade desta dimensão?

Lacerda Sales conclui – porque era só isso que ele pretendia – que este é o resultado da eficácia das vacinas. Portando, Sales acredita que as vacinas não só reduzem o número de internamentos em UCI (na população vacinada, obviamente), como aumenta exponencialmente o número de casos (em valor absoluto) de internamentos em UCI de pessoas não vacinadas. São velhacas o raio das vacinas, pois não se limitam a conferir protecção a quem as toma, como ainda aumenta a severidade em quem não as recebeu.

Recordo que os números atrás apresentados incidem sobre a população total, algo que só favorece a verborreia maliciosa de quem tem manipulado os números. Porque se considerássemos apenas a população com idade superior a 65 anos (onde acontecem a maioria dos internamentos em UCI e óbitos, e onde a taxa de vacinação será aproximadamente de 98% - a DGS diz que é de 100%), os números contrariariam ainda mais aquilo que disse o senhor secretário de estado, já que, quer a 10 de Agosto de 2021 quer a 3 de Janeiro de 2022, a população não vacinada acima dos 65 anos era e é insignificante.

Como diria o Marques Mendes, “esses [população idosa não vacinada] agora estão quase todos no hospital”. Ou como diria um certo especialista em saúde pública, “o vírus agora anda atrás das pessoas que não estão vacinadas”. 

Temos uma teia de propagação de "desinformação" bem montada, não haja dúvidas. Alguém viu a comunicação social a desmontar o raciocínio entorpecido desta gentinha? Por onde andam os fact checkers e os polígrafos? Provavelmente muito ocupados a verificar se as transferências monetárias provenientes da big pharma já entraram na conta.

Quem quiser acreditar no senhor Lacerda Sales e em todos os que apresentam números mentirosos, pois que façam o favor.

Ninguém precisa de tirar um doutoramento para proceder a um raciocínio lógico tão simples: não é possível termos sete vezes mais (em valor absoluto) pessoas não vacinadas internadas em UCI, quando o número de pessoas não vacinadas é 4,5 vezes menor. E ainda por cima, com uma variante bastante menos severa.

Estes fundamentalistas das vacinas – porque é disso que se trata – ainda não conseguiram sequer perceber que por cada pessoa vacinada há menos uma pessoa não vacinada.

Ah! E isto não tem nada a ver com a eficácia das vacinas. Porque qualquer que seja o grau de eficácia das vacinas, isso não vai fazer com que a severidade da doença aumente – e como! – na população não vacinada. Repito, estamos a falar de valores absolutos e não de percentagens. Percentualmente, a comparação entre estados vacinais, até poderia apresentar algum aumento nos não vacinados (algo que não acredito, mas admito a possibilidade), mas nunca em valor absoluto e nos termos apresentados. Ou seja, até se poderia aceitar um cenário de aumento de 100% nos casos de pessoas não vacinadas em UCI face a Agosto de 2021, o que levaria a que neste momento tivéssemos cerca de 38 pessoas não vacinadas em UCI, e não as 132 (do total de 147) que Lacerda Sales tagarelou.

P.S. Hoje, o senhor director da Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital de São João referiu que as pessoas não vacinadas internadas em UCI são “um pequeno grupo”.