Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Contrário

oposto | discordante | inverso | reverso | avesso | antagónico | contra | vice-versa

Uma má decisão nunca vem só

Como se já não bastasse andar a manter laboratórios privados à argola (nunca lucraram tanto), o pior é constatar que o Estado vai despejar mais 20 milhões de euros nesses laboratórios, sem que isso traga qualquer vantagem para o controlo da pandemia e para a saúde dos portugueses.

O Governo decidiu atribuir uma verba de cerca de 20 milhões de euros para a realização de testes antigénio nas escolas, quando o mundo inteiro já está cansado de saber que os testes antigénio – os chamados testes rápidos - são muito menos sensíveis do que os testes PCR e têm uma elevada probabilidade de apresentar resultados falsos negativos, sobretudo quando realizados em pessoas assintomáticas, como é o caso da esmagadora maioria da população escolar. É como se as empresas de abastecimento público de água fizessem o controlo da sua qualidade e potabilidade, por intermédio de um bochecho. Vá, dois bochechos, um para apurar o resultado e outro para fazer a contra-análise.

Se é para gastar dinheiro, pois que se o faça em algo que valha a pena, em algo que realmente contribua para evitar e/ou conter cadeias de contágio. Realizar testes antigénio em escolas não faz qualquer sentido, a menos quando existe um surto em curso. Agora, se o objectivo é antecipar e prevenir surtos, os testes a realizar têm que ser os PCR.

Com esta decisão, o Governo opta por uma solução mais rápida e aparentemente “mais barata”, em que o barato pode sair muito caro. Portanto, mais 20 milhões de euros atirados pela janela do “Ministério do Esbanjamento”, aquele que tem vistas privilegiadas para os quintais de alguns.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.